Posso te contar um segredo? Meditar transforma!

Se você ainda não medita, deveria. Os benefícios mais conhecidos da meditação são a diminuição do estresse, melhora no equilíbrio emocional e aumento de foco e concentração. Porém outros estudos estão surgindo e nos mostrando que aquilo que conhecemos hoje pode ser apenas uma parcela pequena perto das diversas vantagens do que a prática pode nos proporcionar. 

Segundo estudos, a meditação pode auxiliar na diminuição de pensamentos distrativos e ruminantes. Ou seja, aqueles pensamentos que ficam martelando na sua cabeça e tirando a sua paz. 

E não é só isso, pesquisas comprovam que não é somente na parte física que as melhoras aparecem. Meditar pode contribuir para melhorar inclusive a qualidade das suas relações interpessoais, sejam elas familiares ou profissionais.  

Meditar transforma: veja o porquê

Descubra o que acontece no cérebro quando estamos meditando

Meditar é um ato com reflexos positivos no organismo. De acordo com um estudo realizado por pesquisadores de Harvard em Massachusetts General Hospital, a prática tem o poder de reconstruir a massa cinzenta do cérebro em apenas oito semanas. 

O estudo, que é o primeiro a documentar o que a meditação pode causar ao longo do tempo no cérebro, tirou imagens de ressonância magnética de 16 participantes duas semanas antes do estudo e após o estudo ter sido concluído.

Ao longo das oito semanas, os participantes foram expostos durante 30 minutos diários a práticas de meditação. Essas práticas incluíam: gravações de áudio para a meditação guiada, meditação de não-julgamento de sensações, sentimentos ou estado de espírito.

Durante a análise das imagens, que se concentrou em áreas onde as diferenças associadas à meditação foram observadas em estudos anteriores, foram encontradas uma maior densidade de matéria cinzenta no hipocampo, área do cérebro conhecida pela capacidade de aprendizagem e armazenamento de memória, e em estruturas associadas à autoconsciência, compaixão e introspecção. 

Isso se deve à plasticidade do cérebro e a capacidade dele desenvolver novas conexões, na medida em que é estimulado. E a meditação é um desses estímulos. 

Alguns estudos demonstram ainda que durante a prática, a meditação provoca alterações neurofisiológicas específicas. A redução do consumo do oxigênio foi uma das alterações percebidas. O que também indica uma diminuição do metabolismo. 

Práticas diferentes produzem efeitos diferentes

Um estudo da Universidade Nacional da Singapura, descobriu que não são todas as práticas meditativas que produzem os mesmos efeitos na mente e no corpo. 

A pesquisa também revelou que alguns tipos de meditação budista suscitam efeitos diversos; um deles, por exemplo, era capaz de proporcionar atividade parassimpática aumentada (grande sensação de relaxamento). Enquanto outros tipos não eram capazes de ativar nem mesmo o sistema simpático (responsável por aumentar a frequência cardíaca e a pressão arterial, liberar adrenalina, contrair e relaxar músculos, aumentar a transpiração, entre outros). 

E não para por aí, meditar transforma não só o funcionamento do seu cérebro, como também traz benefícios incríveis. Vem ver! 

Retarda o envelhecimento do cérebro 

Estudo realizado pelo Departamento de Neurociência da Carnegie Mellon University comprovou que a meditação ajuda a diminuir o processo inflamatório das células cerebrais que favorecem o envelhecimento. 

Isto é, meditar de forma regular faz com que o cérebro mantenha-se jovem por mais tempo. Uma vez que melhora a capacidade cognitiva e de funcionamento. 

Meditar reduz a atividade neural 

De acordo com estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Yale, EUA, a meditação ajuda a proteger o cérebro de doenças psiquiátricas. 

Isso acontece porque durante a prática da meditação, há uma redução da atividade em áreas cerebrais da chamada Rede Neural de Modo Padrão também é conhecida como Default Mode Network (DMN), que tem sido associada a lapsos de atenção e distúrbios como ansiedade, déficit de atenção e hiperatividade, e até mesmo doenças como o Alzheimer.

meditar transforma o corpo e a mente

Reequilibra a parte química cerebral

A química cerebral determina nosso estado emocional. Afinal, inúmeras condições psicológicas, como depressão e ansiedade, estão ligadas ao funcionamento do cérebro. 

A  baixa nos níveis de elementos químicos como serotonina e dopamina podem ocasionar flutuações no humor. Geralmente esses males são tratados com medicamentos alopáticos, como antidepressivos e ansiolíticos.

Mas a ciência comprova mais uma vez o poder que meditar transforma o cérebro. Segundo estudo publicado no The Lancet mostrou que a atividade pode ser até mais efetiva que medicamentos antidepressivos em alguns casos.

Ou seja, meditar pode ser um tratamento alternativo e bastante efetivo. Já que auxilia a equilibrar a química cerebral e regular os neurotransmissores responsáveis por equilibrar a química cerebral.

Aumenta o volume do cérebro 

Já falamos mais acima que a  meditação pode alterar o tamanho do cérebro. Um estudo conduzido por pesquisadores de Harvard, Yale e do Massachusetts Institute of Technology mostrou que a prática é capaz de mudar a estrutura física do sistema neural.  

Áreas ligadas à atenção e processamento sensorial tiveram a espessura aumentada, assim como a melhora da capacidade cognitiva. Ou seja, com a meditação o volume do cérebro é mantido mesmo com  o avanço da idade. 

Gostou do que leu e quer começar a meditar? Veja as dicas do Lama Michel e inicie a prática de meditação hoje mesmo. 

curso de meditação