Todos os dias, somos bombardeados por propagandas de produtos industrializados que prometem facilitar a nossa vida. Mas, geralmente, não temos consciência do quanto aquilo pode ser nocivo para nós e até mesmo para o meio ambiente.

A expressão “faça você mesmo” — uma tradução do famoso DIY, abreviação do inglês do it yourself — está relacionada a uma tendência mundial de busca por alternativas econômicas e ambientais para produzir ou personalizar produtos, em vez de comprar algo oriundo de uma fábrica e que, consequentemente, seja mais caro ou, até mesmo, mais nocivo à sua saúde e à natureza.

Neste texto, iremos apresentar a você os benefícios de uma vida mais saudável e o mais importante: ao alcance das suas mãos (ou melhor, do seu mouse). Descubra a importância desse conceito e adquira um estilo de vida mais sustentável e totalmente possível, graças a algumas opções que às vezes passam despercebidas ao longo caminho rumo ao tão sonhado equilíbrio do corpo e da mente.

Faça você mesmo: uma filosofia de vida

A popularização da internet permitiu a disseminação dessa prática e hoje o universo virtual está recheado de orientações voltadas para a produção alternativa de vestuário, móveis, decoração, culinária saudável, produtos de higiene, cosméticos e até pequenos reparos domésticos.

Os inúmeros acordos comerciais, estabelecidos entre nações nas últimas décadas, facilitaram a exportação e importação de mercadorias nesses países, o que promoveu um crescimento desregrado de linhas de produção e de consumo desnecessário. Em contrapartida, isso favoreceu a pulverização do DIY e da consciência de buscar resoluções assertivas quanto às questões ambientais ressaltadas nos quatro cantos do globo.

Sendo assim, um dos objetivos dessa filosofia de vida é alterar o formato do consumo desenfreado, que acarreta o desperdício de recursos naturais e matérias-primas em processos industriais convencionais. Por isso, ao optar pela fabricação por conta própria, as pessoas também contribuem para melhorias no ecossistema como um todo.

Produtos industrializados

Primeiro é preciso compreender que os produtos industrializados não são, necessariamente, os grandes vilões da humanidade. Você precisa e recorre a eles em todas as esferas de consumo imagináveis, o que inclusive garante os empregos e contínuo funcionamento das grandes indústrias.

No entanto, a crescente necessidade de melhorias relacionadas à qualidade de vida promoveu um olhar mais crítico e atento quanto aos malefícios de alguns produtos, principalmente no que tange à indústria alimentícia. Com isso, as pessoas também passaram a avaliar suas habilidades de produzi-los em casa, buscando qualidade por meio da segurança de procedência, em detrimento da necessidade de compra.

Alimentação saudável

Ao fazer sua própria refeição, por exemplo, você pode equilibrar a composição nutricional dos alimentos e garantir a manipulação e conservação adequada dos componentes, não se esquecendo das técnicas de preservação dos nutrientes.

Com disciplina, é possível adquirir esse hábito mesmo em um cotidiano apressado. Mas a evolução industrial permitiu avanços tentadores quanto às facilidades para cozinhar em casa. Hoje, encontramos alimentos praticamente prontos e picados, que tornam a prática de preparação mais rápida e funcional. Porém, a maioria deles concentra uma alta dose de conservantes artificiais.

Em contrapartida, os alimentos orgânicos e naturais estão em alta, um prejuízo sem precedentes para o mercado alimentício que não se preocupa em adequar as quantidades de açúcar, sódio e outros ingredientes que fazem mal para a saúde.

Oportunidade para pequenas empresas

O atraso ou desinteresse de fabricantes renomados para investir no desenvolvimento de produtos mais saudáveis, abre uma enorme lacuna ligada diretamente à quantidade de consumidores que buscam por soluções relevantes, tanto na alimentação quanto na prática de exercícios físicos que, além de relaxar, equilibram corpo e mente.

Essa lacuna é preenchida, automaticamente, pelas microempresas, uma excelente oportunidade de destaque e enaltecimento dos pequenos produtores que vislumbram o bem-estar de seus clientes e zelam pelo meio ambiente.

No entanto, é preciso destacar que estes consumidores estão cada vez mais seletivos e que, para oferecer um serviço apropriado, é essencial investir na qualificação do negócio e atualizar-se quanto às novidades do mercado saudável.

Para aderir ao “faça você mesmo” com sucesso, assegurando uma melhor qualidade de vida e não ficar refém dos produtos industrializados, assine nossa newsletter e não perca nenhuma dica de sustentabilidade e qualidade de vida. Conheça também as séries de aulas da plataforma NAMU Cursos e contribua para a manutenção, tanto física quanto mental, de seu corpo.