Hoje em dia é muito comum se falar nos motivos para se tornar vegetariano e mudar a alimentação, mas como surgiu esta tendência?

A preocupação com o planeta e o meio ambiente levou Kip Andersen a pesquisar ainda mais sobre o tema e se tornar influente no assunto. Até alguns anos atrás, para tentar reduzir a emissão de poluentes no ar e a quantidade de lixo por aí, ele fazia de tudo: de ir e voltar para todo lado de bike até reciclar todo seu lixo e tomar banhos rápidos.

Só que um dia ele ficou intrigado com um relatório lançado pela ONU em que era apresentado que, na verdade, o agronegócio e a indústria da carne eram os maiores vilões da história, sendo responsáveis por quase 20% do efeito estufa.

Foi aí que Andersen lançou Cowspiracy, um documentário ― disponível na Netflix e produzido por Leonardo DiCaprio ― em que ele pega vários dados e faz diversas entrevistas apontado o fato de que, se boa parte da humanidade parasse ― ou, pelo menos, reduzisse ― o consumo de carne, todo mundo sairia lucrando, fato que também é defendido por muitos estudiosos além do diretor.

Nesse sentido, preparamos esse post com 3 motivos para se tornar vegetariano. Continue a leitura e saiba quais são eles.

A indústria da carne

A indústria da carne apresenta diversos fatores que a tornam cruel e inviável para o planeta e, consequentemente, para nossa subsistência.

Insustentabilidade

Muita gente acha graça quando descobre que os gases da vaca são responsáveis por aumentar a quantidade de metano na atmosfera, piorando ainda mais o efeito estufa. No entanto, esse humor escatológico fica levemente incômodo quando as pessoas descobrem outros fatos que giram em torno disso. Por exemplo:

  • se existisse um número normal de vacas no mundo, não haveria problemas ligados aos seus gases. No entanto, só nos Estados Unidos existe aproximadamente 1 vaca para cada 3,5 habitantes, uma quantidade surreal que só chegou nesse nível por causa da indústria da carne;
  • cada uma dessas vacas de abate costuma consumir de 200 a 300 litros de água por dia. Ou seja: até o seu último dia na Terra, esse animal terá consumido 10 mil litros de água para produzir cada 1 kg de carne. Agora pense: de onde vem essa água? Dos rios que são desviados dos leitos naturais para abastecer as fazendas ― que muitas vezes acabam poluindo outros rios com os dejetos da produção.

Outro dado alarmante sobre a indústria da carne diz respeito à extensão de terra que é ocupada no mundo para manter esse mercado funcionando.

De acordo com um relatório do Departamento de Agricultura norte-americano, são usados aproximadamente de 3 a 5 acres de terra para produzir os insumos que serão utilizados na produção de carne, envolvendo o espaço do pasto e a área de cultivo de alimento para os animais. Uma área que em outros países pode ser até maior, como no Brasil, onde o espaço utilizado para cultivo de soja, que será usada na fabricação de ração animal, tende a ser ainda mais extenso.

Crueldade com os animais

Este é um assunto um pouco chocante, mas é necessário falar a respeito. A indústria da carne é bastante cruel com os animais, fazendo com que eles passem por experiência traumatizantes. Tudo o que é feito se deve ao desejo de facilitar e reduzir custos para as empresas. No entanto, eles não levam em consideração a vida dos animais e o sofrimento que é causado a eles. Aqui vão alguns fatos:

  • o gado é abatido por volta de 1 a 5 anos, o tempo de vida natural seria de 20 anos;
  • na indústria do leite a vaca é mantida prenha permanentemente para que seja capaz de produzir leite ininterruptamente;
  • para a indústria dos ovos, as galinhas são mantidas em confinamento de maneira que não conseguem se mexer e muitas vezes seus bicos são cortados;
  • porcos são abatidos com até 6 meses de vida, enquanto deveriam viver 15 anos;
  • durante a gestação as porcas são mantidas completamente imobilizadas.

Essas são apenas algumas das inúmeras atrocidades cometidas aos animais pela indústria da carne.

Motivos para se tornar vegetariano

1. É melhor para a sua saúde

De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), ao analisar em média 800 estudos, foi concluído que o consumo de carne vermelha e processada eleva o risco de câncer colorretal.

Além disso, é possível reduzir outros problemas de saúde, como o colesterol. A gordura presente na carne é uma das que mais elevam o colesterol ruim. Já a gordura vegetal, presente nas castanhas, abacate, coco, azeite e outros, é considerada uma gordura boa.

2. É possível atingir todos os nutrientes necessários

Com tanta informação a respeito da indústria da carne, talvez fique fácil entender por que tanta gente resolve se tornar vegetariana, não é mesmo? Só que aí vem um detalhe: os mitos sobre a falta de nutrientes desse tipo de alimentação.

Pois bem, se você ainda não se tornou vegetariano com medo de perder algum item nutricional, pode ficar despreocupado porque com esse tipo de alimentação dá para ter todos os nutrientes presentes nas dieta onívora. Separamos para você alguns dos nutrientes que mais geram dúvidas quanto a sua disponibilidade no reino vegetal. Veja só:

Vitamina B12

Se você não vai consumir essa vitamina presente na carne, uma saída é buscá-la no leite e ovos. No entanto, se você deseja ir além e deixar de consumir também esses alimentos — com em uma dieta vegetariana estrita ou vegana — existem outros meios para evitar a falta dele.

A B12 é uma vitamina que demora para sair totalmente do corpo. Dessa forma, pode levar anos até apresentar uma deficiência. O que muitos não sabem, é que mesmo onívoros tendem a ter esse problema. Para evitar isso, é necessário fazer exames anualmente e, se necessário, realizar uma suplementação dessa vitamina.

Ferro

Tem uma boa biodisponibilidade no reino vegetal. Pode ser encontrado nas castanhas e sementes (nozes, avelãs, castanha-do-pará, castanha de caju, semente de girassol), leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico), nas hortaliças, cereais e outros.

Se você ainda está com dúvidas quanto a isso, aqui vai uma dica: a ingestão da vitamina C potencializa a absorção do ferro, mas é necessário que sejam consumidos juntos.

Proteínas

É um dos nutrientes mais polêmicos na dieta vegetariana. É comum ver pessoas falando apenas da proteína presente na carne, e nunca nos vegetais. Isso ocorre principalmente pela falta de informação. Existe também a proteína vegetal, ela é encontrada em alimentos como leguminosas em geral, castanhas, quinoa, chia, aveia, tofu etc.

O único porém é que para atingir as necessidades nutricionais de proteína, é necessário o consumo de uma maior variedade de alimentos do reino vegetal. Mas tenho certeza de que isso não será um problema para um vegetariano.

3. O sofrimento dos animais não estará em suas mãos

Como dito anteriormente, a indústria da carne é muito desumana. Dessa forma, ao se tornar vegetariano, você terá um menor peso em sua consciência sabendo que você está fazendo a sua parte para reduzir o sofrimento dos animais.

Viu só como é possível parar de consumir carne, fugir das garras dessa indústria e ainda manter ou até mesmo melhorar a qualidade de vida? Portanto, se você está em busca desse caminho, não faltam motivos para se tornar vegetariano e colocar isso em prática agora mesmo. Além de tudo você ainda ajuda a salvar o planeta, assim como Kip Andersen fez.

Se pensou em se tornar vegetariano e não sabe como preparar uma boa receita, conheça o curso Cardápio vegetariano da entrada à sobremesa. Nesse curso você aprenderá novas versões de pratos típicos brasileiros com ingredientes vegetarianos