Crianças precisam ter uma alimentação de qualidade para crescerem fortes e saudáveis. O cuidado, porém, começa desde bebê, e a amamentação tem uma importante função em tudo isso. O leite materno é o alimento mais importante do recém-nascido, pois é rico em nutrientes e auxilia na formação do sistema imunológico, prevenção de alergias e obesidade e desenvolvimento do sistema nervoso. Contudo, à medida que os pequenos crescem, vão surgindo algumas dúvidas, como: o que devo oferecer ao meu filho após os seis meses?

A partir dessa idade (6 meses) o organismo da criança passa a necessitar de complementos energéticos e nutritivos, além do leite da mãe. Nutricionistas explicam que a introdução alimentar deve acontecer aos poucos, sem exageros ou imposições por parte dos responsáveis. Por isso, fique atento e tente apresentar, da melhor maneira possível, os ingredientes necessários para a formação do seu bebê.

Como começar?

Verdade seja dita, essa tarefa não é nada fácil, principalmente quando os pais são de primeira viagem. A introdução gradativa deve acontecer com alimentos de fácil digestão e naturais. A tendência é os bebês preferirem alimentos mais doces, como as frutas. Após se acostumarem, já é possível introduzir os legumes.

Confira, a seguir, 3 dicas para introduzir alimentos na dieta das crianças!

  1. Inicie pelas papinhas de frutas

Como já foi dito anteriormente, o ideal é que você comece oferecendo frutas, pois são mais doces e fáceis de serem aceitas. Assim, escolha frutas que já sejam naturalmente adocicadas, como mamão, banana, abacate e maçã. Amasse-as com um garfo, deixando algumas fibras e pedacinhos para que a própria criança possa identificar, com o tempo, o alimento.

Na primeira semana, inicie o procedimento dando a papinha após a primeira mamada. Já na segunda semana, você pode começar a introduzir também a papinha na parte da tarde, depois da soneca.

É importante mencionar que de início você não deve misturar os alimentos nem colocar grandes quantidades. Ofereça um tipo diferente somente a cada três dias para que o pequeno possa se adaptar mais facilmente.

  1. Passe para as papinhas salgadas

Com a aceitação das papinhas doces, as salgadas devem começar a fazer parte do almoço do bebê. De início, prefira também papas de legumes mais adocicados, como beterraba, cenoura, abóbora e batata doce. Depois, introduza outros ingredientes como couve-flor, chuchu, abobrinha e brócolis. Acrescente cereais como arroz integral, leguminosas, lentilha, feijão e grão-de-bico e, por fim, a proteína, como frango e carne bovina.

Vale mencionar que, inicialmente, é importante que o prato do bebê seja pastoso, apenas com alguns pedacinhos dos legumes. Prefira também evidenciar um sabor específico para que a criança entenda com mais facilidade. Só a partir de 8 meses que pedaços maiores devem fazer parte da refeição.

Quando o pequeno se adaptar com o almoço, você já pode introduzir o jantar dessa mesma forma, com as papinhas salgadas e super nutritivas.

  1. Apresente os sucos naturais

Além da água, os sucos naturais são excelentes bebidas para a hidratação do pequeno e devem ser introduzidas depois de 2 meses da nova adaptação alimentar.

Evite utilizar açúcar no preparo e incentive desde cedo uma alimentação mais natural — que resultará no bem-estar da criança. Sucos de manga, couve, cenoura, melancia, melão e laranja lima, por exemplo, são algumas sugestões.

Lembrando que refrigerantes e sucos de caixinha têm altas quantidades de açúcar e conservantes. Se tomadas em grandes doses e com muita frequência, podem desencadear problemas como diabetes, obesidade, cáries e alergias alimentares.

Agora você já sabe como inserir os primeiros alimentos na dieta do bebê! Não se esqueça que é muito importante prezar sempre por produtos naturais, que asseguram a qualidade de vida e o bem-estar dos pequenos. Todo o processo deve ser feito lentamente, alternando os alimentos e o leite materno. Com o tempo, você pode buscar por novas orientações e aprofundar ainda mais essa mudança de hábito.

Gostou deste artigo? Então saiba mais sobre o curso online cardápio infantil saudável!