A culinária diz muito de um país. Ela faz parte da cultura e é capaz de contar, dentro do possível, a história e desenvolvimento de toda uma nação. É fato que a gastronomia evoluiu junto ao ser humano, não é à toa que o preparo de pratos, e o surgimento de outros, ficou registrado. Cada lugar tem sua característica, cada espaço sua memória. Porém, quem viajou sabe, não existe alimento mais saboroso daquele preparado no próprio local de origem. E se é possível afirmar tal informação com as delícias brasileiras, por que não com as do Japão?

A gastronomia japonesa tem crescido e muito no Brasil. Estados como o Sul e o Sudeste estão entre os que mais consomem esse tipo de comida. Não há uma região que não conte com um restaurante ou fast food dessa culinária, sem contar nos bairros que possuem maior concentração de japoneses e seus descendentes, como o caso da Liberdade, na capital paulista.

Há quem não goste, mas é difícil encontrar em grandes metrópoles pessoas que nunca experimentaram uma delícia japonesa. Por ter sabor marcante e alguns ingredientes crus, a primeira reação ao degustar pode não ser a das melhores. Mas ao se acostumar e ao frequentar o local certo, sem dúvida se tornará uma das culinárias preferidas.

Não se engane, o que se come aqui no Brasil, não é idêntico aos pratos do dia a dia de quem mora no Japão. Afinal, brasileiros também não comem feijoada todos os dias e nem sempre o tempero é o mesmo. Inclusive, muito que conhecemos são adaptações, ou seja, foram ajustados conforme os ingredientes que os imigrantes encontraram em cada região.

É possível listar algumas receitas que, além de saborosas, fazem sucesso no paladar dos brasileiros. Sushi, temaki, sashimi, sunomono, yakisoba, tempurá, nigiri, gyoza, harumaki e missoshiro entram nessa lista. No geral, uma boa parte dos pratos podem ser feitos à base de arroz.

Como é necessário pensar em um organismo forte e saudável, é essencial atentar-se ao que se ingere, mesmo que a culinária seja tradicional. Pensando nisso, separamos alguns benefícios de ingredientes utilizados na gastronomia contemporânea japonesa no Brasil. Confira:

Salmão

Presente em águas frias, o salmão é um peixe rico no ácido graxo ômega 3. Essa substância ajuda a manter o bom colesterol e evita a formação de placas que podem vir a obstruir as artérias. Ou seja, é um bom alimento para a saúde do coração e do sistema circulatório, além de dar um toque especial a diversas receitas.

Alga marinha

A alga marinha é outro ingrediente que não pode faltar em alguns preparos. Ela contém vitaminas, fibras, proteínas e minerais como iodo, magnésio, cálcio e fósforo. Algumas algas, inclusive, contêm ação antioxidante, importante para o organismo e a prevenção de doenças cardiovasculares.

Shoyu

O shoyu é um ótimo acompanhante de pratos como sushis e temakis. Em sua composição é possível encontrar substâncias como vitaminas, proteínas e alguns minerais, já que é derivado da soja. Porém, especialistas alertam para a ingestão excessiva do molho. Evite o uso de muito sal, caso utilize o condimento, pois em demasia pode fazer mal à saúde.

Cogumelos

Cogumelos como shitake e shimeji também são cotados como parte essencial de certos menus. No geral, esses alimentos são fonte de minerais como cálcio, potássio, iodo, fósforo e de vitaminas como a C, D e do complexo B. Entre os seus benefícios estão a ação imunológica e o controle da pressão arterial.

Receite de sunomono

Sunomono- molho

Ingredientes

100 ml de vinagre de arroz

1 pitada de sal

80 g de açúcar

150 ml de água

5 g de hondashi

Modo de preparo

Molho: Em uma panela misture todos os ingredientes. Em seguida, mexa até ferver e desligue. Deixe esfriar e adicione a água.

Sunomono

Ingredientes

2 peninos

kani

gergelim a gosto

Modo de preparo

Corte os pepinos em laminas bem finas. Deixe na água com sal por 15 minutos. Lave bem e misture o molho. O ideal é conservar na geladeira.

Que tal descobrir outras receitas? Conheça o curso online de culinária japonesa e aprenda mais delícias sem sair da sua casa.

Foto: Harald Groven / Flickr / CC BY-SA 2.0