É comum pais vegetarianos questionarem: devo ou não oferecer também a alimentação vegetariana ao meu filho? Mas, independentemente de comer carne ou não, as crianças precisam ter bons hábitos alimentares. Ou seja, devem consumir frutas, legumes, verduras, cereais, produtos integrais e orgânicos. 

Você sabe como oferecer a quantidade adequada de vitaminas e nutrientes em uma alimentação vegetariana para crianças? É o que vamos explicar nesse artigo. Acompanhe!

Alimentação vegetariana para crianças: cuidados com o preparo

Existem muitos pediatras que são a favor da alimentação vegetariana para crianças. Porém, recomenda-se que esse tipo de dieta seja acompanhada por um profissional nutricionista, sobretudo nessa fase da vida. Só assim, evitam-se problemas em relação ao crescimento, ganho de peso e desenvolvimento.

A amamentação até os seis meses é fundamental para a saúde do recém-nascido. E isso é válido tanto para crianças filhas de pais vegetarianos quanto para crianças filhas de pais sem restrição alimentar. Contudo, a mãe vegetariana lactante deve estar atenta aos níveis de ferro e vitamina B12 em seu organismo. Isso porque a baixa ingestão dessas substâncias é capaz de causar anemia e comprometer o sistema nervoso do bebê.

Essa baixa ingestão de ferro e vitamina B12 na alimentação vegetariana para crianças acontece, principalmente, pela falta de produtos de origem animal no cardápio, sobretudo da carne vermelha. Assim, se torna necessário procurar entre os produtos de origem animal aqueles que são capazes de substituir a carne em valor nutricional. 

Porém, como os substitutos de origem vegetal possuem menor quantidade da vitamina B12, é importante que as lactantes vegetarianas estejam atentas para a necessidade de suplementação própria e do bebê.

alimentação vegetariana para crianças

Como equilibrar as refeições com alimentação vegetariana?

Para garantir que a alimentação vegetariana esteja sendo saudável para a criança, podem ser oferecidos a elas alimentos ricos em zinco, como cereais integrais e feijões. Contudo, deve-se utilizar os métodos de redução do ácido fítico dos grãos por meio da germinação. 

Isso porque, esse ácido que é encontrado nas sementes que brotam de cereais integrais, feijões e oleaginosas, dificulta a absorção do ferro, cálcio e zinco presentes no alimento ingerido pelo organismo.

Na realidade, o ácido fítico é uma reserva energética consumida no início da germinação da semente. Entre 12 e 24 horas após a deposição da semente na água, a quantidade de ácido é reduzida a ponto de não mais prejudicar a absorção desses minerais.

Na alimentação vegetariana para crianças aconselha-se também o uso de alimentos mais calóricos baseados em grãos. Integram a lista:

  • Derivados da soja (tofu)
  • Cereais
  • Oleaginosas
  • Sementes (gergelim e girassol)
  • Azeite
  • Óleo de linhaça

Esses alimentos podem facilmente ser utilizados na forma de papinhas. Os óleos de canola ou soja prensados a frio e as oleaginosas contêm boas quantidades de ômega-3, mas a linhaça é uma das fontes mais ricas.

Alimentação vegetariana para crianças: produtos com alto valor nutricional

  • Quinoa: Rica em proteína e potássio, cálcio, magnésio, fósforo, enxofre, ferro e zinco;
  • Maca peruana: sua farinha é de fácil consumo. Com sabor adocicado, é versátil e pode ser adicionada a shakes, sucos, vitaminas, granola, frutas, sopas, bolos e pães;
  • Chia: seja em farinha ou semente, contém antioxidantes, aminoácidos essenciais, cálcio, fósforo, ferro, potássio, zinco e selênio;
  • Amaranto: rico em proteínas, destaca-se por elevado conteúdo de aminoácidos essenciais. Seus níveis de ácidos graxos insaturados, fibras, vitaminas e minerais, que são altamente nutritivos e de fácil digestão, oferecem os nutrientes necessários para um ótimo desenvolvimento infantil;
  • Banana amassada com aveia: fonte de triptofano, vitaminas do complexo B e magnésio. Essa mistura contém nutrientes necessários para a produção de serotonina e melatonina, hormônios fundamentais para regulação do sono;
  • Abacate salpicado com cacau: o abacate contém betasitosterol, substância anti-inflamatória. Favorece também a diminuição do cortisol, hormônio importante para o metabolismo, mas responsável por bloquear a ação da melatonina.

Alimentos condimentados, açucarados e indigestos devem ser evitados na dieta infantil porque atrapalham o sono. Para as crianças com resistência a determinados sabores, uma boa alternativa é oferecer alimentos como chia, linhaça, amaranto e quinoa em forma de farinha ou farelo batido com leite de arroz, leite de amêndoas ou açaí.

Exames de rotina são recomendados para descobrir com segurança possíveis deficiências nutricionais que comprometam o desenvolvimento das crianças independentemente da dieta escolhida. 

Os bons hábitos alimentares são adquiridos na infância e se perpetuam pela vida inteira. Cabe aos educadores e pais encaminhar as crianças nesse sentido para que sejam fortes e saudáveis.

Suplementação de vitamina B12 para crianças

Um dos grandes desafios da alimentação vegetariana para crianças é garantir a quantidade de ingestão de vitamina B12 necessária para o bom desenvolvimento do pequeno. Conforme vimos anteriormente, o nutriente é importante para a formação de células sanguíneas e desenvolvimento do sistema nervoso.

Nutricionista e colaboradora da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), Thaisa Navolar explica a importância da vitamina B12 para o desenvolvimento infantil. Além disso, a nutricionista explica também como fazer a suplementação corretamente. 

“A vitamina B12 é fundamental para crianças vegetarianas, principalmente veganas, porque é uma vitamina que só está presente nos alimentos de origem animal. A gente não tem B12 de outros alimentos. Então, realmente é necessário fazer o uso da suplementação quando adota uma dieta vegana”, declara a nutricionista. 

Assista à entrevista de Thaisa Navolar para o NAMU:

Procurando ter uma alimentação mais saudável e também oferecê-las aos seus filhos desde pequenos? Então confira o curso Cardápio infantil, alimentação saudável desde bebê ministrado pela especialista em alimentação Karin Paciulo. 

O curso é 100% online e dividido em 36 aulas, onde em cada uma aprende-se a preparação de um menu diferente. Depois de realizar este curso, verá que os pequenos não precisam torcer o nariz diante de alimentos nutritivos, e descobrirá que a hora da refeição pode ser o momento mais gostoso do dia!