Corrimento nasal, espirros, coceira nos olhos e irritações cutâneas. Esses sintomas são típicos de quem sofre com alergias respiratórias. Mesmo evitando poeira, ácaros, tapetes e cortinas, ou utilizando filtros ou desumidificadores para os ambientes, ainda assim muitos continuam com o problema. 

Quer saber como se livrar das alergias respiratórias apenas incorporando alguns alimentos em seu cardápio diário? Então confira esse artigo que preparamos especialmente para você!

8 alimentos que combatem alergias respiratórias

Embora os sintomas das alergias respiratórias sejam mais comuns na primavera em função da grande concentração de pólen, nem sempre os sintomas alérgicos desaparecem com o término da estação. 

Enquanto para alguns os problemas amenizam com o fim da primavera, para outros basta uma mudança de ambiente para os sintomas darem o ar da sua graça. Mas você sabia que tem como dar um chega pra lá nas alergias durante o ano todo? Basta adotar uma dieta mais natural. 

Inclusive, alguns alimentos, se ingeridos regularmente, reforçam o sistema imunológico e ajudam a combater alergias respiratórias. Assim, é possível viver com mais saúde e disposição no dia-a-dia. Conheça alguns:

alergias respiratórias

1. Frutas cítricas

As frutas cítricas, como a laranja, o limão e a tangerina, por exemplo, têm um alto teor de vitamina C. Dessa forma, elas contribuem para a defesa celular e aumentam à resistência a infeções respiratórias. Além disso, o consumo diário de frutas ajuda a manter o nível de antioxidantes no organismo.

2. Brócolis

O ácido fólico é um excelente antioxidante e está presente nos legumes, principalmente nos verdes escuros. O brócolis, por ser um vegetal rico em ácido fólico e vitamina C, alivia e até erradica os sintomas das alergias respiratórias.

3. Alho e cebola

O alho é rico em alicina. Essa substância proporciona uma importante ação anti-inflamatória e antibacteriana e atua no combate a rinite alérgica. Já a quercetina, presente no alho e na cebola, é outra substância que combate alergias, agindo como um anti-histamínico.

4. Salmão

O salmão é rico em ácidos graxos ômega 3, combate a inflamação e ajuda a prevenir os sintomas de alergia. Além disso, o alimento também pode melhorar a função pulmonar.  Além do salmão, podem ser incluídas na dieta a truta e a sardinha.

5. Couve

A couve é rica em pigmentos que contribuem no combate dos sintomas das alergias respiratórias. Além disso, a grande quantidade de ácido fólico presente neste alimento também melhora o sistema imunológico.

6. Salsa

A salsa é um vegetal rico em nutrientes, como a vitamina C, por exemplo. Dessa forma, ela elimina as bactérias prejudiciais e protege o organismo das alergias sazonais.

7. Hortelã

A hortelã fresca é um excelente descongestionante para o nariz e a garganta. Além disso, esta erva medicinal proporciona alívio aos pulmões e aos brônquios. Ainda, reduz as irritações causadas pela rinite e alergias respiratórias da primavera.  A dica é beber o chá, aplicar algumas gotas de óleo desta planta no nariz ou usá-la como um expectorante.

8. Mel

Uma colher de mel por dia pode auxiliar na redução das alergias, principalmente as causadas pelo pólen. Isso porque o mel tem partículas de pólen e ao consumi-lo, o corpo se habitua. Isso faz com que o organismo produza uma defesa natural contra a reação alérgica.  A dica é consumir durante todo o ano e de preferência o mel produzido na região.

alimentos que ajudam com alergia

Uma alternativa: fitoterápicos para doenças e alergias respiratórias

Além dos alimentos citados acima, os fitoterápicos também se constituem como alternativas ao uso de corticoides e antibióticos para combater as alergias respiratórias. É o que relata a pesquisadora Terezinha Rego, doutora em botânica e fitoterapia.

“Meu grande impulso nesse trabalho com fitoterápicos é tirar as crianças dos antibióticos e corticoides quando seu uso é dispensável”. Essas são palavras de Terezinha Rego, doutora em botânica e fitoterapia e reconhecida internacionalmente pelas pesquisas sobre a flora medicinal do Maranhão. Há mais de 50 anos ela se dedica à pesquisa científica, no estudo da fitoterapia, hortas medicinais, medicina popular, etnobotânica e espécies medicinais.

“Há estudos comprovando que o excesso de corticoides nas glândulas suprarrenais pode levar ao desenvolvimento de diabetes. Por isso é tão importante informar as pessoas sobre o uso de fitoterápicos”, afirma a doutora. Entre as causas das doenças respiratórias está o acúmulo de secreções, que atrapalham o livre transporte de oxigênio.

“O foco de nosso tratamento é livrar a criança da secreção. Assim, ao conseguir expectorar, ela cria uma resistência natural que será monitorada por pelo menos três meses. Mais de 10 mil crianças passaram por esse tratamento e não são raros os encontros com jovens na rua que me dizem: ‘a senhora me curou!’. É uma alegria muito grande”.

Bronquite, asma e alergias respiratórias

Segundo a pesquisadora, os xaropes fitoterápicos são bastante utilizados na pediatria, em particular para crianças a partir de um ano. A equipe da farmacêutica produz 16 tipos de xaropes fitoterápicos, usados principalmente para o tratamento de bronquite, asma, garganta e alergias respiratórias.

Os efeitos terapêuticos das plantas – agrião, ameixa, alho, capim-limão, couve, hortelã, milho, urtiga-branca, limão, romã, urucum, beterraba e mastruz – são peitorais, emolientes e expectorantes. Contudo, é importante ressaltar que os fitoterápicos também são remédios e por essa razão devem ser receitados por especialistas.

Distribuição legalizada

Profissional com reconhecimento, Rego conta que por trás do conteúdo desses xaropes existem muitas pesquisas, testes, burocracia, perseverança e uma paciência quase infinita. 

“Sem isso, seria impossível lidar com o atraso tecnológico dos laboratórios brasileiros e com a lentidão dos trâmites legais de patenteamento e autorização de comercialização. No caso da cabacinha-do-norte, por exemplo, usada para tratar a sinusite, por falta de verba levei 20 anos para conseguir isolar o princípio ativo da planta e legalizar sua distribuição”, afirma a especialista.

Dicas de Terezinha Rego que ajudam a evitar doenças respiratórias nas crianças:

  • Alimentar-se em horários regulares;
  • Fazer exercícios físicos sem excesso;
  • Evitar molhar a cabeça após as 17 horas;
  • Não deixar a roupa secar no corpo, pois a friagem provoca ou piora o resfriado.

Agora que você já conhece alguns alimentos que combatem as alergias respiratórias, que tal transformar o seu corpo e sua mente através da alimentação saudável?  Então conheça os cursos online do Namu e garanta uma vida com muito mais qualidade.